Livro digital

Nenhum comentário
"Amar um livro é pedir-lhe que seja sempre nosso, assim, como um amor que se conserva para repetir ou reaprender. Como poderemos jurar fidelidade a um texto que se desliga? É como não ter sentimentos, descansar na morte, não permanecer vivo enquanto espera por nós. É infiel."

Trecho da crônica Situar, do escritor Valter Hugo Mãe, publicada na Revista 2 no dia 18 de Novembro de 2012. Fonte: Jornal Público

Nenhum comentário :

Postar um comentário